Japonismo: Hiroshige, oito vistas de kanazawa 1835-1836

Japonismo: influências da arte japonesa no Ocidente

Posted on Posted in arte

Apesar de ser mais comum ouvirmos sobre a “ocidentalização” do Oriente, principalmente do Japão, há também influências de percurso contrário. O Japonismo, também conhecido como Japonismo-manias é uma delas.

O termo foi criado em 1872 pelo crítico francês Jules Claretie para caracterizar a crescente influência do Japão na arte ocidental. Tal influência demorou para acontecer, uma vez que até o século XIX, o país permaneceu isolado e fechado em si mesmo. Só a partir de 1860, com a pressão da colonização inglesa e americana, o Japão se vê obrigado a abrir-se ao contato com o Ocidente. Isso foi ainda intensificado em 1867, com a revolução política que se deu no país e que instalou no trono o imperador Mitsu-Hito, que determinou a abertura do Japão às influencias de todo o mundo.

Este contato provocou uma rápida apropriação das técnicas industriais ocidentais pelo Japão, ao mesmo tempo que as trocas comerciais possibilitaram que seus objetos de arte fossem vendidos em grande escala na Europa. Como as estampas japonesas de estilo similar a xilogravura, Ukiyo-e, que tinham valores muito baixos no país de origem, mas que no ocidente adquiriram preços elevados por despertarem o interesse de colecionadores da França e da Inglaterra.

O fascínio e a influência da arte japonesa se manifestam sobretudo por uma simplificação das cores e da perspectiva. Grandes mestres da gravura japonesa passam então a ser admirados, como Kitagawa Utamaro, Katsushika Hokusai e Ando Hiroshige (imagem acima). Muitas pinturas de artistas ocidentais impressionistas fazem parte do Japonismo.

A grande onda de Kanagawa (1832), de Hokusai japonismo
A grande onda de Kanagawa (1832), de Hokusai

As semelhanças são perceptíveis em algumas características como a assimetria, a ausência de profundidade, cores planas, e o contorno a preto. Um dos melhores exemplos são os cartazes de Toulouse-Lautrec, mas é o americano James Whistler que é considerado um dos pioneiros e mais importantes introdutores do movimento.

Japonismo: La Japonaise (1876), de Monet.
La Japonaise (1876), de Monet.

Van Gogh também, ao conhecer as xilogravuras japonesas, foi bastante afetado por suas particularidades e passou a colecioná-las, principalmente as de Hiroshige. Ele não apenas tinha as gravuras em sua coleção, como gostava de refazê-las, reforçando os efeitos que mais o encantavam. A influência da arte japonesa pode ser vista nas suas últimas obras.

Numerosos outros artistas também compartilharam desse movimento, como Manet (Portrait de Emile Zola, 1868), Tissot (La Japonaise au Bain, 1864) e Monet, um grande admirador de estampas. Este último pintou importantes obras influenciado pela arte japonesa como La Japonaise (1876), retrato da sua mulher vestida com um quimono importado, a posar em frente de um cenário de leques.

Além do movimento artístico impressionista, o Art Nouveau também teve influências da arte japonesa, como temáticas relacionadas à feminilidade, ao erotismo e à natureza.

(Visited 403 times, 20 visits today)
The following two tabs change content below.
Jéssica Amorim
Está tentando a vida no que a vida deixa, e no que não deixa também. Estudante do 7º período de Jornalismo e petiana desde junho de 2011.

Comentários

pessoas comentaram

One thought on “Japonismo: influências da arte japonesa no Ocidente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *