Conto Sonoro Boiaçu: A Lenda Viva

Posted on Posted in ciência e tecnologia, Comunicação

Dentre os vários meios de comunicação o rádio é sem dúvida um dos maiores estimuladores do imaginário. Além de impulsionar o lado criativo, gera uma espécie de vínculo com o ouvinte, que faz do momento de escutar o rádio um hábito inseparável de sua rotina. Nas décadas anteriores essa ligação com o rádio já foi mais visível quando era um dos principais meios de difusão das notícias. Embora haja outras plataformas de acesso à informação o rádio ainda é tido como um importante meio de comunicação de massa, que alcança os lugares que a televisão ou internet não chegariam. Esse estilo de comunicar pautado nos recursos sonoros originou variantes semelhantes ao rádio. Desde o seu surgimento pode-se notar o aparecimento de outras modalidades inspiradas no modelo radiofônico que resgatam seus traços iniciais, mas ao mesmo tempo combina elementos característicos de meios comunicativos mais recentes.

Através do estudo dessas construções oriundas do rádio a equipe do sexto período do curso de Jornalismo: Arthur Charles Soares Corrêa, Pedro Paulo Reis Batista, Ramayane Queiroz da Costa, Luanny Victória Câmara de Santana e Reinaldo Yukishigue Okita elaborou sob a orientação da Prof. ª Dr. ª Ítala Clay de Oliveira Freitas a adaptação de uma obra literária para o formato radiofônico denominado podcast. O podcast pode ser entendido como um episódio de um programa, mas que é falado e como no rádio explora bastante os aspectos sonoros. O que há de contemporâneo em seu formato é a sua disponibilidade na Internet e o estilo on demand. É uma espécie de rádio virtual, o acesso é por meio de aplicativos ou sites, abordando diversos assuntos, escolhidos de acordo com a preferência de quem deseja ouvi-lo.

No produto gerado pela equipe, a proposta foi usar o radioteatro característico do formato do podcast para criar uma estória que criticasse o problema ambiental gerado pelo descarte inadequado do lixo no Amazonas. Baseado nisso, o podcast utilizou em seu roteiro a lenda amazônica da Cobra Grande e a ficção japonesa Godzilla. No conto sonoro a ilha de Parintins é atacada pela Cobra Grande, que avança sobre o lugar inundando-o. Nesse momento uma correspondente encontra-se na ilha fazendo a cobertura da catástrofe para o programa de rádio Balanço da Meia-noite. Enquanto o monstro, Boiaçu, avança por Parintins são colocados os elementos que trazem críticas ao descaso que a população comete ao não atentar-se para o armazenamento adequado dos resíduos que produz. A mesma atribui completa responsabilidade ao governo, enquanto os recursos naturais únicos da Amazônia são prejudicados.

No segundo momento Boiaçu já se encontra em Manaus atingindo a ponte do rio Negro, momento que também se revela a polêmica do superfaturamento na obra. A descrição de Boiaçu mostra mais uma vez a problemática ambiental ao ser apresentado pelo correspondente do Balanço da Meia-noite, em Manaus como um ser coberto por garrafas PET, sofás, entre outros detritos acumulados nos rios. O encerramento ocorre quando o jornal sai do ar por conta do ataque.

A sonoplastia mais o roteiro do podcast trazem uma reflexão ao ouvinte, para que este, por meio da ficção baseada em situações reais, se conscientize quanto ao seu papel para a não poluição dos rios e outros recursos naturais. A inspiração no Godzilla tem relação com os impactos ambientais sofridos no Japão após o ataque nuclear. O Godzilla foi criado a partir desse acontecimento, que trouxe sérias consequências para o meio ambiente após o bombardeio ocorrido na Segunda Guerra Mundial. O monstro Boiaçu é também conectado a impactos ambientais, que neste caso ocorrem no Amazonas.

O estilo da narração de Boiaçu: A Lenda Viva recorda o acontecimento de 30 de outubro de 1938, nos Estados Unidos. Orson Welles causa pânico ao fazer uma adaptação radiofônica de um trecho do livro de H. G. Wells, “A guerra dos mundos”. Em sua narrativa de caráter apocalíptico Orson Welles descreve um ataque alienígena que convence boa parte da população e causa terror até que todos saibam que não é nada real. Com isso fica clara a influência que pode ter o recurso sonoro típico do rádio na imaginação do ouvinte. Dentro do podcast é muito notável a inventividade de uma realidade por parte do receptor, por conta do radioteatro. O conto sonoro Boiaçu: A Lenda Viva pode ser conferido abaixo:

(Visited 24 times, 1 visits today)
The following two tabs change content below.
Iolanda Ventura

Iolanda Ventura

Sempre ouviu lhe dizerem: "Nossa, você escreve muito! Como consegue fazer tanto texto? Não cansa não? Escolher jornalismo foi a prova que não cansa de escrever. Ela já tinha sido escolhida pelo curso e não sabia. Gostava de muitas coisas diferentes e a indecisão era grande. Quando a ficha finalmente caiu viu para que realmente tinha vocação e que de tudo que gostava Jornalismo tinha um pouco. Até chegar em jornalismo demorou, mas ainda bem que chegou.
Iolanda Ventura

Posts Mais Recentes por Iolanda Ventura (Ver Todos)

Comentários

pessoas comentaram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *