O twitter, os fandoms e a internet como espaço de diálogo

Posted on Posted in Minha Opinião

 

Que o twitter é um dos melhores lugares da internet, ninguém duvida. Além de ser uma fonte inesgotável de memes e de fã bases reunidas,  para quem gosta de acompanhar a carreira de algum cantor/cantora ou banda, fazer uma conta na rede social é um dos caminhos. Além da facilidade de encontrar diversas outras pessoas com o mesmo gosto que o seu, o site é um amplo espaço para discussão e debate desde os assuntos mais fúteis até os de grande impacto na sociedade.

Porém, quando utilizado pelos amantes de música pop, o twitter se torna um espaço completamente diferente de tudo o que pode ser encontrado na internet. Exageros a parte, por ser o gênero musical mais difundido no cenário mundial, os artistas desse gênero e derivados tem uma legião de fãs ao redor do mundo e no Brasil não é diferente. É muito comum ouvir algum cantor/banda internacional que venha para o país dizer que os brasileiros são os fãs mais intensos e apaixonados que eles já viram.

E é justamente nesse ponto que eu quero chegar. Essa paixão desenfreada por um artista pode ser claramente vista nessa rede social. Parece uma regra comportamental, ao gostar de um artista, principalmente das divas pop, automaticamente você se tornar o maior advogado de defesa daquela pessoa, lutando com unhas e dentes pela integridade e pela imagem daquele artista perante os outros. Todo esse amor, constantemente está presente em nível máximo nas infinitas discussões existentes no site. São fãs defendendo os seus cantores favoritos contra outros fãs que não compartilham da mesma opinião e apoiam artistas “rivais”. Uma fã base contra a outra.

E nessas discussões, todo mundo veste a capa de crítico musical e começa a atacar um ao outro com os melhores argumentos possíveis. Desde as posições dos artistas nos charts musicais, o famoso primeiro lugar no itunes, passando pelas performances ao vivo dos cantores, quem vende mais álbuns e ingressos de uma turnê, a quantidade de premiações que cada artista já ganhou até a problematização de músicas e videoclipes.

Sem querer problematizar, mas já problematizando, ao observar isso que acontece, é fácil perceber que a música perde o seu real significado. Na insistência em afirmar que um artista é melhor que outro por tais motivos, a celebração da arte é minimizada. As aparências e o status de superioridade tomam uma grande proporção que não deveria existir. Afinal, se você gosta do trabalho de algum cantor/cantora/banda é porque a forma como ele se expressa artisticamente te agrada de alguma maneira. O fato de você não gostar da música feita por outra pessoa não tira o direito de um outro alguém gostar dela. As intrigas entre os cantores sempre vão existir, mas a valorização da música deve prevalecer.

Eu sei que essa é uma perspectiva muito mais séria de tratar o assunto. É evidente que a maioria das pessoas que fazem parte disso agem de tal forma por pura diversão e distração, sem se atentar a esse cunho mais social e problemático abordado. Eu, por exemplo, não vou deixar de acompanhar esse tipo de discussão porque elas são extremamente divertidas. Mas, por mais bobo que seja, esse tipo de interação me fez perceber algo muito frequente na internet: os tipos de diálogos e debates que ela possibilita.

A internet é um espaço universalizado. Todos que têm acesso possuem uma importante ferramenta de contato com outros indivíduos e, consequentemente, isso amplia a exposição de opiniões. As redes sociais, a meu ver, são as principais formas de dar voz ao público e como o próprio nome já diz elas garantem a socialização entre as pessoas na internet. Todos os dias, estamos expostos a uma ampla variedade de discussões sobre os mais diversos assuntos e é no diálogo com outras pessoas que é possível perceber que a tolerância é algo que está em falta.

Lidar com opiniões diferentes das suas é algo extremamente comum e necessário para o debate de ideias. Porém, no ambiente virtual o diálogo entre pessoas com opiniões distintas é algo bastante delicado e quase nunca funciona. O debate é algo positivo, ainda mais quando são assuntos que precisam ser debatidos tais como política, educação, saúde, sexualidade dentre tantos outros. Porém, esse espaço em vez de gerar soluções e transmissão de conhecimentos, provoca brigas recheadas de ataques e xingamentos de uma pessoa para outra. Mais uma vez, o foco da discussão é perdido.

Por exemplo, quando a questão é a política brasileira, a internet transborda de opiniões distintas, sejam aqueles a favor de um partido, de algum político ou de alguma ação do governo que entra em debate. É discussão atrás de discussão, ataque atrás de ataque e que ao final, não tem importância e impacto algum. Ninguém quer parar para pensar de outra maneira e tentar entender diferentes pontos de vista. É algo do ser humano olhar muito para si mesmo e seus próprios interesses. A tolerância e o respeito são coisas que realmente estão em falta e dificulta, muitas vezes, a união das pessoas em prol de um bem comum.

 

(Visited 27 times, 1 visits today)
The following two tabs change content below.
Pedro Vinícius

Pedro Vinícius

Mais de 3 meses e 4 dias assistindo a seriados incríveis (e contando). Desde criança quis ser jornalista mesmo nem sabendo o que a profissão fazia. Sonha em ter a autoestima da Susana Vieira e com algum ônibus que vá pra UFAM vazio.
Pedro Vinícius

Posts Mais Recentes por Pedro Vinícius (Ver Todos)

Comentários

pessoas comentaram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *