Não há nenhum crime em ser gentil

Posted on Posted in crônica, Minha Opinião, reflexão, saúde

“Acho que devia haver uma regra que determinasse que todas as pessoas do mundo tinham que ser aplaudidas de pé pelo menos uma vez na vida.”

– R.J. Palacio em ‘Extraordinário’

Diferentemente dos posts anteriores da editoria ‘Minha Opinião’, que tinham um cunho mais jornalístico, este tem mais a ver com uma crônica. No mês passado, houve a Campanha de Enfrentamento ao Suicídio, mais conhecida como Setembro Amarelo. O mês de setembro foi escolhido, justamente, porque em 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio.  Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 805 mil pessoas cometem suicídio por ano. Em 2012, foram 11.821 mortes, sendo 9.198 homens e 2.623 mulheres. É a principal causa de morte entre jovens de 25 a 34 anos e a 15ª causa no mundo. O suicídio passou a ser tratado como problema de saúde pública em 1990.

Mas o que tudo isto tem a ver com essa crônica? E todos esses dados? E essa citação no início do texto? E esse título? Calma. Talvez a mistura de palavras possa soar um pouco confusa, mas elas irão fazer sentido no decorrer da leitura. Acredite.

Dia desses, estive pensando com meus botões sobre o que escrever a respeito nesta matéria. Passei dias e dias pensando inúmero temas, títulos, fontes e essas coisas todas que um jornalista precisa se preocupar antes de escrever sua pauta. Parei. Pensei. Analisei. Nenhuma delas se encaixou com aquilo que eu buscava expressar. Fiquei lendo e relendo outros textos a fim de me inspirar, mas tudo em vão. Foi então que sentei na cadeira da sala, peguei meu celular e pus no aleatório. A princípio, músicas alegres; outras, nem tanto. Me peguei cochilando e acordei com o trecho “Não há crime nenhum em ser gentil”, da música Fear and Loathing de Marina & the Diamonds.

Foi então que fiquei pensando: realmente, não há crime nenhum em ser gentil. Todos os dias acordamos, enfrentamos uma série de batalhas internas em busca dos nossos objetivos até que finalmente estejamos em casa para mais uma noite de descanso. Porém, você já se questionou o que se passa com as pessoas ao seu redor? Se não, é bom parar para apreciar um pouco. Cada um de nós enfrenta alguma coisa interna diariamente. Pode ser algo a ver com saúde, família, financeiro ou demais problemas.

Às vezes, algumas pessoas precisam ouvir coisas boas na hora certa ao invés de apenas serem bombardeadas por coisas negativas. Todas as palavras, ações e reações ruins vão se acumulando até que viram uma bola de neve. Nem todas as pessoas sabem lidar com determinadas situações ou como expressar o que sentem. Elas se isolam, se guardam, se calam. Isso é perigoso! Nós nunca sabemos o que se passa com o outro se não perguntarmos.

Pode ser que a pessoa mais engraçada do seu meio seja alguém triste quando não estão de olho, pode ser que a mais calada seja a que precisa de mais ajuda. De acordo com a OMS, grande parte dos suicídios tem a ver com cunho social, dentre outros derivados. Boa parte dos acumuladores de pensamentos ruins, acabam se sentindo fracos, tristes, inúteis, debilitados, o que pode acarretar em depressão e até mesmo suicídio. Pelo fato de se sentirem menosprezadas, essas pessoas acham que o fim é a resolução para tudo, porém, não é bem assim.  Para tudo há uma solução, basta que as palavras certas sejam ditas no momento certo.

“A linguagem é a chave para saber quem somos como indivíduos. Nós somos nossas conversas: quando mudamos nossa forma de ser, mudamos nossas conversas e quando mudamos a forma de conversar, mudamos a forma de ser. A linguagem nos constrói.”

– Bernardo Toro

Mas é meu dever ajudar essas pessoas? Se você se sentir bem em dar uma palavra de ânimo, vá lá e faça! Boas palavras e ações ajudam muito mais do que julgar. É importante não deixar que o setembro amarelo seja apenas mais um mês, enquanto nos outros onze, você não tenta se esforçar para ser gentil com os outros. A frase “gentileza gera gentileza” nunca foi tão bem utilizada como neste momento.

Quando Palacio diz que “[…] todas as pessoas deviam ser aplaudidas uma vez na vida.”, ele está certo. Todo dia passamos por várias situações e, ao menos, em uma delas alguém nos observou e nos viu como exemplo de algo bom.  Então, não tenha medo de ser gentil. E lembre-se: um ato de gentileza pode mudar todo o curso de uma vida. De um dia. De alguém.

Ah, se você expressar coisas boas, todas elas voltam para você, mais cedo ou tarde.

 

 

 

(Visited 1 times, 4 visits today)
The following two tabs change content below.
Danny Sullivan

Danny Sullivan

Jornalista em formação e sereio profissional nas horas vagas. Considera-se geek e fã de outras coisas estranhas (tipo Naruto, Justin Bieber e K-pop).
Danny Sullivan

Posts Mais Recentes por Danny Sullivan (Ver Todos)

Comentários

pessoas comentaram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *